A ciência da virgindade

Nas últimas semanas algum aspecto astrológico tenebroso parece ter arrebatado o mundo e decretado, como diria Marx, que “boceta é muito 90s, o negócio agora é Pl & opt. C.”.

Eu estava evitando ao máximo escrever sobre isto, mas com o excesso de material teórico chegou até mim não pude mais fechar os olhos.

A começar temos a já citada, tantas vezes lembrada, a cobiçada em HD pre-order por 10 entre 10 pessoas, Carol Miranda (post abaixo) que lança luz sobre o tema controverso da virgindade anal. Ao nos brindar com sua sabedoria azevediana, Carol apresenta uma equação bizarra: sexo é menor e diferente de virgindade. Por mim ok, no dos outros é refresco.

Isso me lembra alhures a Capricho de minha tenra juventude, onde todo mês uma espertinha entrava no mode capitães da areia e perguntava: pratiquei a sodomia, mas continuo virgem, né? Estes áureos anos (EU DISSE ANOS) ainda nos brindavam com Angélica afirmando, como se alguém estivesse interessado, que continuava virgem (nunca esqueço de um comentário da Bizz, núcleo da resistência, que era marromeno: Angélica, que segue desperdiçando os melhores anos –eu disse anos- da sua vida).

Mas não parou poraí, os anos 90 tinham reservado na manga um ícone do falso cabaço, Britney, que com sua mentirinha branca “casei com Justin mas continuo virgem” levou a iluminação anal para o mainstream. O Brasil, país onde até Rita Cadillac é puritana, contava com o modelo de mini-craque sandyniano que afirmava: não dou nem pro Vilhena- galã-da-malhação. E o mais tenebroso disto tudo é o supracitado galã dizendo que ainda era enamorado pela Santa e Casta, anos depois (ah, vá. leia como quiser).

Nos dias atuais, além de Carol, temos Daniele Hypolito que afirma ser virgem e jovem. Olha, se ela for tão virgem quanto é jovem já sabemos o que isto quer dizer. E não me refiro ao celebre Virgem de 40 anos. Temos, ainda, hordas de jovens enlouquecidas por hormônios que resolvem adotar o anel de pureza. Não é o caso da Carol, obviamente.

E quando nada mais parece possível, temos uma guerrilha ideologica em nome da vagina entre suecas e sauditas. Elas afirmando que o himem não existe, é mito, e eles afirmando logo que vagina não existe. Citarei, de tanto que me enterneceu o coração:

“Everybody knows that women are non-sexual creatures,” said team leader Prince Abdul Abdul Abdul. “This fantasy about a female sexual organ, this subversive and frankly repulsive idea of a ‘vagina’, is yet another assault on our values and customs by the West.”

Enquanto isso, no Chile, os jovens resolvem escandinavizar e liberar geral. É um mundo louco, é um mundo louco.

Claro que eu não pude deixar de lembrar da virgem louca do Rimbaudzinho, referência ao Mateus e sua metáfora indecifrável. Carol, baby, essa é pra você.

8 Respostas to “A ciência da virgindade”

  1. afinal, sexo só é sexo quando rola papai e mamãe. todo mundo sabe disso. certo?

  2. cara, vamos mudar de assunto que nem pega bem gente de família falando estas coisas
    hshshshshshs

  3. mini-metal para falsa virgindade

  4. po, com peitos falsos, bunda falsa, dentes falsos
    O QUE É UM HIMEM PRA QUEM TA DEFECADO?
    hahahahahaha
    (agora note que sou incapaz de dormir)

  5. tava lendo a matéria aqui no NYT…
    uma coisa que eu gostei desse teu post foi a RELEVÂNCIA SOCIOLÓGICA dele

    ok, mas vamos parar de se meter na área dos outros ok?
    eu disse meter de intrometer
    ah, fodasse

  6. isso, X! tem tudo a ver com foda :)

  7. Relevância sociológica de cu é rola (notem que no cu permanece a virgindade)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: